Mais uma vez Ilha Comprida é destaque por apresentar todas "PRAIAS BOAS E ÓTIMAS" o ano inteiro.

A informação consta do relatório da Cetesb (2019) sobre a Qualidade das Praias Litorâneas do Estado de São Paulo. Somente Ilha Comprida e Iguape apresentaram essa condição.

   

    

ILHA COMPRIDA É DESTAQUE

   

   

  

CMIC, 07/08/20 - A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) monitorou, no ano passado, a qualidade das águas em quase 160 locais diferentes das 307 praias do litoral do Estado. O relatório anual sobre a “Qualidade das Praias Litorâneas no Estado de São Paulo 2019“ pode ser acessado aqui.

O local do monitoramento é definido de acordo com a frequência de banhistas, geografia da praia e adensamento urbano. O estudo aponta que a média de porcentagem de coleta de esgoto nos municípios litorâneos está em torno de 70%, variando de 31% em Bertioga a 97% em Santos. O litoral de São Paulo possui cerca de 880 km de extensão de linha de costa e abrange 16 municípios.

Informações sobre saneamento básico nos municípios do litoral paulista

As condições de balneabilidade das praias de São Paulo estão relacionadas diretamente com as condições sanitárias dos municípios, população fixa, afluxo de turistas (população flutuante) além das condições climáticas, entre outros aspectos.

"Além disso, a prática clandestina de se ligar o sistema coletor de águas pluviais à rede de esgoto ou a interligação dos sistemas coletores de esgoto à rede de drenagem pluvial também são muito prejudiciais à qualidade sanitária das águas das praias." (Cetesb)

As chuvas constituem-se em uma das principais causas da deterioração da qualidade das águas das praias. Esgoto, lixo e outros detritos, na ocorrência de chuvas, são carreados para as praias pelas galerias, córregos e canais de drenagem, produzindo, assim, um aumento considerável na densidade de bactérias nas águas litorâneas.

Com relação à fisiografia da praia, é importante ressaltar que enseadas, baías e lagunas apresentam condições de diluição bastante inferiores às observadas em regiões costeiras abertas. A menor taxa de renovação das águas dessas regiões contribui para a concentração dos poluentes, limitando, assim, a capacidade de diluição do meio receptor.

A variação das marés também podem influir na qualidade das águas das praias. Durante as marés de enchente, o grande volume de água afluente, além de favorecer a diluição dos esgotos presentes nas águas das praias, age no sentido de barrar cursos-d’água eventualmente contaminados. Já nas marés vazantes, ocorre o fenômeno inverso, havendo uma drenagem das águas dos córregos para o mar, levando maior quantidade de carga difusa carreada pela drenagem urbana, esgotos oriundos de ocupações e lançamentos irregulares.

    

População Fixa

  
Os dados populacionais divulgados pelo IBGE mostram que no litoral de São Paulo 6 dos 16 municípios apresentam taxa de crescimento superior a 20% no período entre 2010 e 2019. Os municípios com os maiores crescimentos foram Bertioga (33%)Praia Grande (25%) e Ilhabela e Ilha Comprida, ambos com (24%). Os municípios com menores taxas são Santos, Iguape e Cananeia (com menos de 10%).
   
Crescimento populacional no período entre 2010 e 2019




População Flutuante

 

O município de Praia Grande é o que possui a maior população flutuante, com estimativa de mais de 400 mil pessoas para 2019, seguido por Guarujá com pouco mais de 200 mil. Nota-se também que em alguns municípios, a população flutuante supera a fixa, ou seja, em períodos de férias e feriados prolongados, a população desses municípios pode ser mais do que o dobro, possibilitando problemas na infraestrutura local de abastecimento de água e saneamento básico.


 

Classificação das praias

 

A Cetesb utiliza os critérios da Organização Mundial da Saúde – OMS, para avaliar as praias. As orlas são classificadas em relação à balneabilidade, em duas categorias, própria e imprópria, sendo que a primeira engloba três categorias distintas: excelente, muito boa e satisfatória.

Essa classificação é feita de acordo com as densidades de bactérias fecais na água do mar, resultantes de análises feitas nas amostras de cinco semanas consecutivas. A legislação prevê o uso de três indicadores microbiológicos de poluição fecal: coliformes termotolerantes, E. coli e enterococos.

A presença dessas bactérias nas águas não confere a elas uma condição infectante. Essas não são por si só prejudiciais à saúde humana; indicam apenas a possibilidade da presença de quaisquer organismos patogênicos de origem fecal e tornando desaconselhável a sua utilização para o banho.

O Programa Onda Limpa, da Sabesp, beneficia com coleta, afastamento e tratamento de esgoto os nove municípios da Baixada Santista: Bertioga, Guarujá, Mongaguá, Praia Grande, São Vicente, Cubatão, Itanhaém, Peruíbe e Santos, levando a cobertura com rede de esgoto de 62% para 82%.

O programa é considerado o maior programa de saneamento ambiental da costa brasileira, o Onda Limpa vem contribuindo para a melhoria da saúde pública, da balneabilidade das praias e o incremento do turismo na região.

   

Destaques

  

As classificações anuais por município mostram que seis deles (Ubatuba, Caraguatatuba, São Sebastião, Guarujá, Iguape e Ilha Comprida) apresentaram praias Ótimas. Os municípios que tiveram praias Próprias o ano todo foram sete incluindo Bertioga. Ressalta-se que Ilhabela é o único município do Litoral Norte que não apresentou praias com boas condições o ano todo. Santos apresentou 100% das praias classificadas como Péssima.

     
Proporção das classificações anuais de 2019 por município em porcentagem e número de praias

  

Pontos de Coleta


    

Balneabilidade das Lagoas

   

Além das praias, três lagoas foram monitoradas mensalmente em Ilha Comprida: Balneário AdrianaLagoa Yemar e Lagoa do Parque Linear. Em outubro de 2019, a Lagoa Yemar teve seu monitoramento suspenso por apresentar vegetação no entorno, não oferecendo condições para a recreação de contato primárioEm 2018 foram seis lagoas avaliadas além das acima citadas tivemos a análise das lagoas do Balneários Atlântico, Icaraí e Porto Velho. Infelizmente, neste relatório de 2019, não há nenhuma menção da descontinuidade das medições destas três últimas lagoas. 

Resultados de Escherichia coli (UFC/100 ml) e Classificação 2019
        
Resultados de Escherichia coli (UFC/100 ml) e Classificação 2018
  
No tocante aos dados da tabela referente ao ano de 2019, a mesma possui um pequeno erro matemático no cálculo da média geométrica, sendo esta média utilizada, a grosso modo, para atenuar "distorções" em grandes variações na média dos dados. A correção apresentada na tabela abaixo, talvez exija uma reclassificação anual no tocante a lagoa do Balneário Adriana de "boa" para "regular".
  
Resultados de Escherichia coli (UFC/100 ml) e Classificação 2019 (corrigida)
   
Vale ressaltar que o Rio Candapuí recebe em seu corpo d'água (nas imediações da Escola Meu Recanto) os efluentes devidamente tratados da Estação de Tratamento de Esgotos (ETEs) "Ilha Comprida 2" e essas águas, 500 metros adiante, abastecem a lagoa artificial Parque Linear (fundos da rodoviária) e no ano de 2019, moradores que praticam atividades físicas ao redor do parque linear relataram por algumas vezes a alguns vereadores intenso mal odor (no período noturno) que coincide aos eventos de junho e principalmente com a anomalia de setembro, conforme é possível observar na tabela acima. A anomalia do mês de setembro, inclusive foi noticiada aqui neste site.
   
ETEs em funcionamento no Litoral Sul  
   

Sugestão

     

Tendo em vista as particularidades do lançamento dos efluentes da "ETE Ilha Comprida 2", seria muito interessante se a Cetesb realizasse coletas e análises nas imediações do corpo hídrico que recebe os efluentes da "ETE Ilha Comprida 1" mês a mês, haja vista que esses corpos hídricos, em ambas ETEs, certamente se comunicam, seja superficialmente ou via lençol freático, embora na situação da ETE Ilha Comprida 1, o corpo hídrico não dispõe de área de recreação de contato primário em virtude da vegetação ao redor ou em suas imediações, além de outras particularidades.    

    

Fonte: Relatório Cetesb 2019 (adaptado). 

Colaboração (análise parcial): 

Obs.: Em Setembro/2020, por sugestão do analista acima, a Tabela 3.32 - "Resultados de Escherichia coli (UFC/100 ml) e Classificação 2019" do relatório foi corrigida pela Cetesb conforme o destacado acima (114, 124), bem como outras pequenas alterações pontuais.